Make your own free website on Tripod.com
Atividades de divulgação científica

Mapa de localização do Parque Municipal de Nova Iguaçu, segundo DRM.

1. Projeto Caminhos Geológicos do DRM
     O Departamento dos Recursos Minerais do Estado do Rio de Janeiro (DRM), com colaboração da Prefeitura de Nova Iguaçu, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro e Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, instalou as placas de sinalização, conforme o projeto caminhos geológicos (Mansur & Erthal, 2004). Os trabalhos têm como objetivo de transformação da linguagem científica em popular (Mansur et al., 2004). Este projeto chamou o Parque Municipal de Nova Iguaçu de "Geoparque do Vulcão de Nova Iguaçu". As placas aceitaram incondicionalmente a hipótese do vulcão, conforme Klein & Vieira (1980a; b). Por outro lado, Motoki & Sichel (2006) Motoki et al. (2007a; b; c) demonstraram a inviabilidade geológica da existência do edifício vulcânico na área de Nova Iguaçu por motivos científicos. As apresentações de congressos e simpósios relativas a este tema são encontrados na página de Trabalhos científicos não vulcanológicos, item 2, Atividades educativos, sociais e ambientais. Atualmente, as placas estão sendo renovadas. As novas placas colocarão as duas opiniões em paralelo.

1.1. Ghizi, A., Mansur, K, Vieira, A.C., 2004. Geoparque do Vulcão de Nova Iguaçu. http://www.drm.rj.gov.br/item.asp?chave=109
     Esta página apresenta o que é o vulcão, como o magma se gera e, as rochas vulcânicas presentes no referido parque, inclusive um clasto de traquito da brecha vulcânica que ocorre na Pedra da Contenda como bomba vulcânica.

1.2. Medeiros, F., Ragatki, D. 2004. Geoparque de Nova Iguaçu - Falha do Poço das Cobras. http://www.drm.rj.gov.br/item.asp?chave=106
      Esta página apresenta o afloramento (exposição de rocha) de Poço das Cobras como brecha de falha geológica e existência da cratera vulcânica. Entretanto, com base na descrição do referido afloramento e rochas expostas em torno desta área, a interpretação geológica desta brecha como a falha foi reconsiderada por Motoki & Sichel (2006) como sendo uma fissura subvulcânica.

1.3. Barbosa, M., Dourado, F., 2004. Geoparque de Nova Iguaçu - O Sienito da Pedreira. http://www.drm.rj.gov.br/item.asp?chave=102
      Esta página mostra uma pedreira encerrada de brita, apresentando descrições litológicas, petrográficas e modo de ocorrência geológica do sienito.

1.4. Guedes, E., 2004. Geoparque de Nova Iguaçu - Poço do Escorrega / Diques e Brechas. http://www.drm.rj.gov.br/item.asp?chave=105
      Esta página mostra diques de traquito e brecha vulcânica, conforme Guedes & Mansur (2004).

1.5. Geraldes, C.G., Netto, A.M., 2004. Geoparque Nova Iguaçu - Lavas e Brechas Vulcânicas. http://www.drm.rj.gov.br/item.asp?chave=108
      Esta página interpreta as rochas traquíticas e brecha vulcânica respectivamente como constituintes de derrame de lava e fluxo piroclástico.

1.6. Geraldes, M.C., Netto, A.M., Mansur, K., Ghizi, A., Medeiros, F. (2004). Geoparque Nova Iguaçu - Feições Misteriosas do Poço do Casarão. http://www.drm.rj.gov.br/item.asp?chave=107
      Esta página apresenta as feições peculiares que se manifesta no sienito do fundo do córrego, sendo de difícil explicação pelos membros participantes do projeto Caminhos Geológicos, sendo denominado "Feições Misteriosas de Poço do Casarão".

2. Cartilha de guia de excursão
      Foi divulgada pela CREA-RJ (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro), uma cartilha colorida de guia de excursão, apresentando 15 pontos atrativos. São demonstradas 3 figuras vulcanológicas: 1) perfil geológico do vulcão de Nova Iguaçu; 2) brecha vulcânica; 3) clastos traquíticos considerados por estes autores como bombas vulcânicas. O perfil geológico apresenta um edifício vulcânico de forma clara e indubitável, destacado proeminentemente sobre a encosta nordeste do maciço Mendanha. Sendo assim, o magnífico aspecto do edifício vulcânico, de 1.7 km de diâmetro, 250 m de altura e 27º de ângulo do flanco, com a cratera de 800 m de diâmetro 160 m de profundidade, seria observado inconfundivelmente a partir da cidade de Nova Iguaçu. Recomenda-se a verificação disso.

2.1. Vieira, A.C., Klein, V.C., 2004. Vulcão de Nova Iguaçu, o vulcão brasileiro. CREA-RJ, 12p.

Renorno à página principal